Preso em flagrante, o homem que atirou em uma pessoa com quem discutia após uma briga de trânsito no último domingo (4), na Vila Oliveira, em Mogi das Cruzes, passou nesta terça-feira (6) por uma audiência de custódia. Ele deverá responder pelo crime em liberdade, segundo informação da TV Diário. O estado de saúde da vítima  "ainda é grave".

Na decisão expedida pelo juiz Gustavo Alexandre da Câmara Leal Bellluzzo, a autoridade afirma que apesar de o crime ter sido registrado  como tentativa de homicídio, após o ocorrido, o autor dos disparos "manteve-se calmo e sereno, saindo no veículo e mantendo-se no local e colaborando com as autoridades".

O administrador de empresas alegou ter agido em legítima defesa, pois "efetuou o disparo após ter sido agredido pela vítima, a qual teria tentado retirar sua arma das mãos".

A reportagem de O Diário tentou obter detalhes sobre o quadro clínico do homem de 25 anos que foi atingido "na região do pescoço, traquéia e coluna cervical, podendo inclusive ficar paraplégico", mas não obteve retorno da Secretaria Estadual de Saúde. A informação é que a família da vítima pede sigilo.

Relembre o caso

Na Vila Oliveira, em Mogi, uma briga de trânsito terminou com disparo de arma de fogo no início da noite do último domingo (4). Uma câmera de segurança registrou o crime e O Diário mostra o vídeo, mas alerta: as imagens são fortes.

Tudo começou quando, segundo o advogado da vítima, Gustavo Arzabe, "houve um quase acidente na rua Capitão Manoel Rudge, na Vila Oliveira". No linguajar comum, o que aconteceu foi uma "fechada", que levou a discussão para um ponto próximo à esquina das ruas Frederico Straube e Francisco Assis.

Neste ponto, a vítima deixou o carro que dirigia e foi ao encontro do motorista do outro veículo. No meio da discussão, a esposa da vítima também deixou o carro e foi ao encontro de seu marido, enquanto segurava a filha do casal, uma bebê de cinco meses. Ainda dentro do carro, o agressor sacou uma pistola calibre 380 e disparou.

O agressor não possui porte ou posse de arma. O que ele tem é um "Certificado de Registro de Atirador Esportivo". De acordo com o advogado de defesa, Odair Alves, ele estava indo para um clube de tiro em São Paulo.

Já a vítima foi socorrida pelo Samu ao Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, no Mogilar, onde ainda deve estar internada.